segunda-feira, 27 de julho de 2009

Os Travesseiros da Piriquita





Os meus amigos Líbia e Jordão, simpático casal brasileiro de S. Paulo, retornaram a Portugal, onde já viveram, 13 anos depois.

O Atlântico nunca constituiu obstáculo para os nossos “Bate-Papos” frequentes. Electrónicos, é certo, mas suficientemente próximos para perceber desde o Brasil que o “cara” estava acordado ainda a horas impróprias da noite em Portugal ou que o “gajo” estava levantando cedo de mais lá no Brasil. Afinal a diferença horária não limita a comunicação escrita…

Alguns planos foram sendo propostos, ao longo dos últimos meses, para comemorar a visita e simultaneamente reviver o passado em Portugal:

Uma prova de vinhos alentejanos na Herdade do Esporão, uma sopa da pedra em Almeirim ou um leitão à moda da Bairrada eram hipóteses a considerar.

A considerar quando se fala racionalmente e através da cibernética. Mas, as coisas não são bem assim. No local e no ambiente próprio a razão por vezes perde a força e é fundamental deixar exprimir a emoção dos nossos sentimentos e das nossas recordações!
E a emoção foi para a Líbia e o Jordão comer a cataplana de peixe no local onde o mar (diga-se Atlântico) acaba e a terra (diga-se Europa) começa – o Cabo da Roca e degustar a sobremesa dos deuses, ainda na memória dos meus amigos – Os travesseiros da Piriquita – na rua estreita da velha Sintra, património mundial.

E aí, Jordão é quem ordena:
“Líbia, meu bem, feche os olhos e sinta o inigualável sabor de Portugal".

2 comentários:

Jordao disse...

Olá meu amigo TP,

Depois de tanta emoção na nossa viagem a Portugal, sou surpreendido pelas suas deliciosas frases escritas sem dúvida com o coração e não com o teclado.
Teclado este que como comentas, nos possibilitou manter nossa amizade mesmo com um marzão a separar os nossos países.
O passeio que o amigo nos proporcionou, com sua simpatia, seu bom papo e rodando sobre o premio que recebeu por uma vida de elegante profissionalismo, marcou nossa passagem pela terrinha e nos incentiva a voltar, desta vez antes de 13 anos de espera(bem observado por minha esposa).
Regressamos bem e ainda estamos curtindo as horas deliciosas que passamos visitando nossos amigos e um Portugal renovado e muito bonito. Os nossos filhos já estão querendo ir para o aeroporto pois nossas histórias encheram-lhes de saudades da terra que passaram a adolescência.
Valeu muito! Obrigado cara!
Jordão Freitas

ATP disse...

Obrigado Amigos!
Um abraço do TP