domingo, 31 de maio de 2009

As Cerejas da Minha Árvore



Dizia a minha velha professora primária que havia três coisas na vida que eram essenciais fazer e sem as quais um homem não poderia sentir-se realizado:

Plantar uma árvore, Ter um filho e Escrever um Livro.

Este conselho da mestre foi das mensagens mais fortes que recebi em toda a minha vida.

Tornou-se para mim quase uma obcessão cumprir a primeira das três coisas que eu podia, naturalmente, fazer naquela idade e que era plantar uma árvore.

A escolha da árvore foi fácil. Nasci em Maio e neste mês não havia outra espécie que reflectisse melhor a força da natureza. Com a ajuda do meu Pai plantei, então, uma cerejeira no sopé da serra da Gardunha.

O meu pé de cerejeira era a minha adoração.

Lembro-me que, quando degustei a primeira cereja da minha árvore, gritei bem alto:

Falta ter um filho e escrever um livro!

domingo, 17 de maio de 2009

O Almoço dos Séniores








Os almoços dos séniores, ex-companheiros de outras lutas, que passam mais pelos afectos e menos pela comida, são sempre uma festa!

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Os Meus Majores de Outrora

Foi um percurso de vida, a das armas, que começou em Mafra (Portugal) e terminou em Luanda (Angola) ao longo de quase 4 anos.

Era tempo de Guerra!

Tempo de sacrifício, angústia e incerteza, mas também tempo de reflexão, de entreajuda e, sobretudo, de camaradagem.

Foi neste ambiente que aprendi a reconhecer o carácter de quem está ao nosso lado e a compreender a importância da ética e dos valores.

Foi, então, neste contexto que eu, o jovem Alferes Miliciano de Infantaria, conheci, trabalhei e convivi com os altivos, garbosos e quase inantigíveis Majores. Os meus Majores de outrora.

Hoje, os meus Majores de outrora, são Generais.

Atingiram o topo de carreiras brilhantes, depois de fazerem uma longa guerra colonial e a revolução democrática do 25 de Abril e são, ainda hoje, as reservas de carácter que Portugal necessita mais que nunca.

É sempre bom rever a gente que fez parte da nossa vida.

Permitam-me, Generais, a minha continência de outrora:
"Obrigado, Meu Major "


sábado, 9 de maio de 2009

A noite em que o António chamou o TOY


Fotos: João Cláudio Fernandes

TOY, o multifacetado cantautor, (mais de 3 mil canções registadas na Sociedade Portuguesa de Autores), é um homem emotivo, romântico, bem disposto e capaz de surpreender qualquer audiência pela sua indiscutível capacidade de improvisação permanente.

Gosto de gente sem "Rabos de Palha", de gente que deixa transparecer as suas emoções, de gente que revela os seus sentimentos e é capaz de chorar.

E, TOY (António Manuel Neves Ferrão), foi isso mesmo no serão da última Quarta-Feira em "No Carvão". Falou, improvisou, divertiu, cantou e encantou!


TOY disse que "A moda não é arte pois a arte é intemporal" e provou-o, eloquentemente, ao longo de toda a noite.

Obrigado TOY, mas, eu António, não resisto:

Se queres dançar e não tens par, chama o António
Se queres sair para curtir, chama o António
Se queres votar para melhorar, chama o António
Se queres ter maior prazer, chama o António

video
Video: ATP

terça-feira, 5 de maio de 2009

Filhos brilhantes, Alunos fascinantes


...Os filhos brilhantes e os alunos fascinantes não são aqueles que são sempre bem comportados, que não falham, não chocam ou não tropeçam. Mas, aqueles que aprendem a desenvolver consciência crítica, decidir os seus caminhos, trabalhar os seus erros, construir a tolerância, reconhecer as suas dificuldades. São os que choram, sim, quando necessário. E Porque não? São os que constroem grandes sonhos. E, acima de tudo, são os que dão uma nova chance para si mesmos e para os outros quando fracassam...


Augusto Cury






É sempre bom rever, abraçar e voltar a conviver com gente que connosco se cruzou na vida profissional.

Especialmente quando essa gente é jovem e gosta de relembrar o início de uma carreira feita com alguém de outra geração, que ajudou a abrir as, por vezes, difíceis portas do mundo de trabalho em ambiente multinacional.
Foi um prazer reviver o passado com estes "Filhos Brilhantes, Alunos Fascinantes" e saber dos seus êxitos pessoais e profissionais.

No entanto, ainda vão ter de esperar uns anitos para eu lhes "devolver" o livro do mesmo autor,e que me ofereceram em devido tempo, "Pais Brilhantes, Professores Fascinantes"...